sexta-feira, 15 de abril de 2011

Tragédia de Realengo - fatalidade ou sintoma social?

Laércio Martins - Te vi! óleo sobre tela 60 x 40


A violência é um sintoma. A doença é carência de poder, a insignificância, a injustiça – em suma, a convicção de que a pessoa está abaixo do humano e não tem ponto de referência no mundo. Para empregar um termo conveniente, identifiquei a doença como impotência, sem entretanto deixar de reconhecer plenamente que a violência exige também, para ser desencadeada, alguma promessa, um desespero combinado com a esperança de que as condições só podem melhorar através da dor ou da morte de alguém. ( Rollo May, p.172) 1

Foto : Domingos Patena Portugal

Não é possível examinar a tragédia de Realengo sem começar pelo ponto de partida da vida do jovem que a provocou, bem como não podemos deixar de inserir sua história no contexto social em que vivemos.

Filho adotivo, acolhido numa família numerosa, sendo a mãe biológica, vítima de patologia psíquica grave que a levou a cometer suicídio. Não sabemos que tipo de ambiente o rapaz enfrentou no lar que o adotou. Mesmo as crianças filhas legítimas, vez por outra são tomadas pela terrível desconfiança de terem sido adotadas o que acarreta uma enorme angústia, então podemos imaginar o desafio de uma criança adotada que não tenha sido devidamente amparada emocionalmente. Seu comportamento descrito por familiares, vizinhos, colegas de escola e trabalho, sempre foi arredio no mínimo incomum, e estranhamente, a única manifestação conhecida para tratar do problema teria sido a visita ao psiquiatra que abandonou. Talvez abandonado por todos, o jovem tenha buscado refugio em seu mundo imaginário onde teria poder; o poder de ser visível e inocente. Fixado no mundo virtual da internet como ficou demonstrado, foi buscar uma identidade que o fizesse existir no mundo vasculhando nos retalhos maltrapilhos de nosso atual tecido social, nele encontrando informações que por faltar orientação o moldaram. A violência segundo Rollo May, é ausência de significado, num mundo que fomenta e mitifica banalidades, não ter expressão social nenhuma é uma radical exclusão. Welligton, sentindo-se sem saída no mundo real, apelou para uma saída de emergência, a sua longa barba, não fez dele um profeta, não deu a ele algo que o purificasse, era urgente precisava morrer para finalmente existir e expurgar uma dor que ele não sabia dar nome. De que forma ele poderia se tornar visível, inocente e poderoso ao mesmo tempo para o outro? Através do buraco da fechadura do mundo virtual e da mídia ele via o mundo, e exatamente por esse canal o mundo poderia finalmente enxergá-lo em seu Reality Show, assim como sentenciou: “descobrirão quem sou da maneira mais radical”. Numa época em que a celebrização tornou-se compulsiva e quase obrigatória ele precisava criar um outro eu que ao mesmo tempo lhe desse a chance de existir e num último ato celebrizar-se ainda que por um viés distorcido. Na sua realidade ele disse sentir-se bom, inocente, fraco, indefeso, vítima de: “pessoas cruéis, covardes que se aproveitam da bondade, da inocência, da fraqueza de pessoas incapazes de se defender” assim como ele durante anos sentiu calado e sozinho. Ele acreditava que não tinha mais lugar na sociedade, que de alguma forma já havia sido expulso da casa/mundo, mas antes de sair, apesar de tão recluso e calado, se utiliza de um recurso que o transformará numa “celebridade póstuma” e expõe a platéia/mundo seu depoimento, numa espécie de confessionário com câmera. Para provar sua inocência, garantir seu pertencimento social ele se transforma num “poderoso vingador” dos “: irmãos que morreram no passado” e para isso, o recurso que dispõe por lhe faltar uma forma de simbolizar sua dor é sacrificar inocentes, chamando assim atenção para algo que: ” não é exclusivamente pelo que é conhecido como Bulling”, mas para além disso, toda uma sociedade que não lhe exigia satisfação, por “ser falsa e covarde” Assim ele coloca no paredão toda o público perplexo em busca de uma lógica que certamente não está em Welligton por mais absurdo que possa parecer, pois trata-se de um sintoma social, que assim como uma febre, sinaliza a necessidade de exames mais profundos da forma como estamos conduzindo nossas vidas em sociedade.

Em memória das crianças vitimadas pela tragédia e em respeito e solidariedade aos familiares precisamos abrir um debate mais profundo onde toda a sociedade se envolva pois : “ O que implica alguma coisa relacionada à solidariedade humana: somos todos parte do trágico acontecimento. Sem uma rendição da própria consciência, ninguém pode hoje se proteger sob sua capa moral e pretender uma imunidade ao que está acontecendo lá fora.” (Idem, p 144).


Margareth Bravo


Foto: Filipe Arruda Portugal

Obs: Este texto se propõe a atender ao pedido da amiga Ângela Medeiros.


Leitura recomendada: Bittencourt, Renato. Apareço, logo existo. Revista Filosofia - editora Escala - Ano IV - Edição 57 - Março/2011. Rio de Janeiro. Ano IV - Edição 57 - Março/2011, p. 14. clique aqui

Notas:

1 – May, Rollo. Poder e Inocência. Rio de Janeiro. Editora. Artenova, 1974.

2 - http://g1.globo.com/videos/rio-de-janeiro/

6 comentários:

  1. Muito lúcidas suas colocações a respeito dessa tragédia urbana.

    ResponderExcluir
  2. Luciana Soares Marques16 de abril de 2011 16:40

    Como escreve bem essa minha prima!
    Concordo plenamente com suas reflexões. Acrescento, hoje está difícil educar porque os filhos e alunos estão com todos os DIREITOS e nenhum DEVER.E coitada das educadoras,digo professoras todos os DEVERES e nenhum DIREITO.Reflita e escreva sobre esse assunto também. bjs LU

    ResponderExcluir
  3. A violência é um fenômeno resultante de várias causas entre elas podemos citar a mudança no perfil da família, a conquista da liberdade feminina, o regime econômico vigente, a desvalorização da escola e do professor, a perda de referência do que é comum e do que é normal... O que podemos constatar é uma "perda", se é que podemos dizer isso, da consciência humana junto com os valores, boa educação e ética. Se é possível reverter este quadro? Não sei. Mas uma coisa é certa,não existe a ordem sem o caos, e este já estamos vivendo. O homem desenvolveu uma enorme intolerância pela sua própria espécie e em virtude disso, sente-se no direito de realizar qualquer ação, até mesmo matar com ou sem sã consciência.
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  4. Adorei seus texto, pena que pra ele ter sido escrito muitas vidas tenham sido ceifadas.
    Acho que você devia fazer Psicologia ou, ao menos, se aprofundar nela.
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Querida Mag, obrigado por suas reflexões sensíveis, lúcidas, importantes. Parabéns, também, ao Laercio, pela bela pintura.

    ResponderExcluir
  6. Para completar, uma breve reflexão: Sem dúvida, são várias as causas que levam à violência, mas a falta de amparo, de "mão estendida", é, muito possivelmente, o estopim do ATO.

    ResponderExcluir

Muito obrigada por sua visita! Enriqueça o espaço dessa procura, contribua com sua reflexão.
Ao selecionar o perfil, escolha "nome/url". Preencha seu nome e deixe o campo "url" em branco, caso não possua site ou blog.Saudações!